Govenadora Rotária visitou Setúbal e atribuiu Prémio Rotário ao proj. “Saúde no Bairro”

No dia 28 de novembro teve lugar em Setúbal a Visita Oficial da Governadora do Distrito Rotário 1960, Mara Duarte, evento presidido pela Presidente do Rotary Club de Setúbal (RCS), Maria Helena Fragoso de Mattos.

Apresentação de cumprimentos na Câmara Municipal de Setúbal

A visita da Governadora Mara Duarte iniciou-se com a apresentação de cumprimentos na Câmara Municipal de Setúbal, estando presente o Vice-Presidente da autarquia, Dr. Manuel Pisco Lopes. Neste encontro houve a oportunidade do RCS e o Município aprofundarem a reflexão sobre as necessidades da comunidade e percepcionarem quais as sinergias que poderão ser criadas com uma parceria entre estas duas entidades.

A Governadora Mara Duarte e a Presidente do RCS Maria Helena Mattos ladeiam o Vice-Presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Dr. Manuel Pisco

Visita ao Bairro da Bela Vista

Finda a reunião na autarquia, foi a vez da Governadora visitar o Projecto “Nosso Bairro, Nossa Cidade / Saúde no Bairro” – Programa Integrado de Participação e Desenvolvimento da Bela Vista e Zona Envolvente, criado pela Câmara Municipal de Setúbal em parceria com várias entidades e no qual o Rotary Club de Setúbal vai participar com a aquisição de equipamento para o “Espaço Saúde no Bairro”.

Mara Duarte no Projecto “Nosso Bairro, Nossa Cidade / Saúde no Bairro”

Este projecto foi iniciado no ano rotário da Presidência de Estefânia Campos (2016/17) e irá ter a sua concretização no presente ano rotário (2019/20) presidido por Maria Helena F. Mattos.

Conforme refere a governadora Mara Duarte na página do Facebook do Rotary Portugal – Distrito 1960 de dia 29 de nov. às 13:47,  “… a participação ativa e permanente dos moradores em ações de melhoria dos bairros são elementos impulsionadores do Nosso Bairro, Nossa Cidade / Saúde no Bairro.

O “Nosso Bairro, Nossa Cidade” estabelece que as ações a realizar devem ser protagonizadas pelos moradores, gerando a participação das pessoas nas decisões que a elas e à sua comunidade dizem respeito, com o objetivo de promover a sua autonomia e responsabilidade e o crescimento coletivo.

As pessoas, organizadas em grupos, participam nas decisões e também nas tarefas inerentes à execução das ações, numa lógica de formação de lideranças e de mobilização popular. O programa está organizado em cinco eixos de prioridade – intervenção com jovens; educação, formação e emprego; imagem e visibilidade; vida em comunidade; promoção da participação das pessoas.”

Para mais informações aceda a: https://www.mun-setubal.pt/nosso-bairro-nossa-cidade/…

Prémio Rotário de Empreendedorismo Social

E finaliza a Governadora Mara Duarte, na página do Facebook já referenciado, com uma decisão de grande alcance para a nossa cidade explicitando que se trata de: “Um projecto fantástico e agregador, e por isso decidi atribuir-lhes o Prémio Rotary Empreendedorismo Social do Ano Rotário 2019-20 em cerimónia que irá decorrer em março de 2020 na Gala dos Prémios Rotary do Distrito 1960.”

Nota: a explicitação do Projecto “Nosso Bairro, Nossa Cidade / Saúde no Bairro” encontra-se no final desta página.

Reunião do Conselho Director do RCS

Seguidamente, teve lugar na sede do Rotary Club de Setúbal a reunião do Conselho Director do mesmo, permitindo dar a conhecer à governadora o conjunto de projectos em que o clube participa, quer como organizador e coordenador, como os que colabora em parceria com outras instituições locais.

Foram ainda abordados alguns temas no âmbito do Quadro Social, da Rotary Foundation, das Novas Gerações e da Comunicação e Imagem.

Reunião do Conselho Director com a Governadora Mara Duarte na sede do RCS

Jantar Festivo

Esta Visita Oficial finalizou com um jantar festivo no Restaurante “O Quintal”, tendo estado presentes os Governadores dos Anos Rotários 2003-2004 – Frederico Nascimento, 2011-2012 – José Coelho, 2014-2015 – António Mendes, 2017-2018- Afonso Malho, bem como os Governadores Assistentes Vítor Marques e José Neto Campos, do Rotary Club de Setúbal, entre outros rotários e convidados.

Mesa constituída pela Presidente do Rotary Club de Setúbal, Maria Helena Mattos, ao centro, tendo à sua direita a Governadora do Distrito 1960, Mara Duarte e à sua esquerda Pardete Ferreira, o mais antigo Presidente do RCS presente na sala.

Houve também uma atenção muito especial à intervenção dos Jovens Rotaractistas Tomás e Diogo Ilhéu do Rotaract Club de Setúbal, que deliciaram os presentes com o relato da sua experiência de intercâmbio em Taipé, onde representaram o Rotary Português e o Rotary Club de Setúbal em particular, desempenhando com orgulho e competência o papel de embaixadores.

Os Rotaractistas Tomaz e Diogo Ilhéu, representantes do RCS em Taipé

Algumas fotos do evento

Seguem-se algumas fotos do evento. Brevemente as restantes estarão disponíveis no site do RCS.

Intervenção da Governadora Mara Duarte
Lembrança de Setúbal oferecida à Governadora pela Presidente do RCS
Imagem parcial da sala onde decorreu o jantar festivo (Restaurante “O Quintal” em Setúbal)

(1) Conceito de Distrito Rotário (em sentido lato):

O Rotary Internacional está representado praticamente em todos os países do Mundo, num total de mais de 35 mil clubes nos quais se encontram mais de 1 milhão e 200 mil associados.

Em Portugal, todos os clubes rotários se encontram inscritos em dois Distritos Rotários (DR).

O DR 1970, é constituído pelos clubes que se encontram no Norte e Centro do país.

O Distrito Rotário 1960, com 1.310 membros, é constituído por 68 clubes situados no sul continental do país, bem como pelos clubes localizados nos arquipélagos da Madeira e dos Açores.

NOTA: Projecto Saúde no Bairro

Sara Gonçalves

O projeto Saúde no Bairro é um projeto de promoção da saúde baseado no acesso a cuidados de saúde de proximidade, por via da participação de moradores organizados que através das ações aumentam suas capacidades e conhecimentos, contribuindo assim para a redução das suas desigualdades em saúde.

É um projeto integrado no Programa Nosso Bairro Nossa Cidade cujo território é a zona da Bela Vista Envolvente que tem como estratégia promover ações concretas, protagonizadas por moradores, geradoras de participação política através do exercício de poder e tomada de decisões que a estes e à sua comunidade digam respeito, promovendo lideranças (moradores eleitos democraticamente), autonomia, responsabilidade e crescimento coletivo através de estruturas organizativas diversas (grupos de trabalho, comissões e associações de moradores), cujos impactos atenuem a polarização social e espacial que carateriza o território da Bela Vista.

As bases de intervenção do Programa Nosso Bairro Nossa Cidade foram configuradas a partir da análise dos indicadores de diagnóstico do Observatório Social da Bela Vista, realizado em 2007 e da agregação das propostas dos serviços municipais e dos parceiros locais.

Das várias reuniões de moradores e, principalmente, do 3º Encontro de Moradores (plenário de moradores dos 5 bairros da Bela Vista e zona envolvente) foram levantados vários problemas e constrangimentos na área da saúde que foram registados.

Por um lado, a acessibilidade aos cuidados de saúde traduzida não só pela distância aos equipamentos mais próximos, mas também pelos procedimentos burocráticos no acesso aos cuidados primários e até um desconhecimento das valências existentes ou de como agir em caso de doença levando a que seja mais frequente a ida à urgência hospitalar (68,8%) e não ao Centro de Saúde (31,3%). 38,9% dos agregados familiares não têm médico de família. (fonte – Relatório socio demográfico do Bairro das Manteigadas, CMS, 2012).Foram também referidas dificuldades na medição da pressão arterial ou no controlo dos níveis de glicémia ou do colesterol. Foi defendido, pela população, que em cada bairro houvesse um gabinete de saúde. Nestes gabinetes técnicos de saúde seriam providenciados cuidados aos moradores bem como ações de educação para a saúde e de auto cuidados em saúde, tornando mais acessível o conhecimento e ajudando os moradores não só a terem acesso aos cuidados necessários mas também a conhecerem melhor os serviços de saúde de modo a utilizarem-nos de forma mais eficaz e eficientemente contribuindo para um aumento da literacia em saúde (Portugal caracteriza-se por ter 11% da população com um nível de literacia “inadequado” e cerca de 38% “problemático”. (Fonte Literacia em saúde em Portugal Fundação Calouste Gulbenkian e Centro de Investigação e Estudos de sociologia IUL 2015). 

O projeto tem vindo a atuar em diferentes níveis:

  • Oferta de serviços de proximidade que incidem em cuidados primários, técnicos qualificados e acesso a informação de qualidade e adequado ao nível de literacia da população;
  • Dinamização de atividades de promoção da saúde de base comunitária;
  • Formação adequada às necessidades dos moradores em matéria de cidadania, em estilos de vida saudável e em capacitação em autocuidados de saúde;
  • Aumento do exercício de poder por parte dos moradores organizados, através de processos de participação ativa na promoção da saúde e consequente obtenção de mais ganhos em saúde.

Com este tipo de atuação é facilitado o processo de adoção de estilos de vida mais saudável bem como de incremento da auto-estima e ainda a redução das desigualdades em saúde oriundas da difícil acessibilidade à informação, cuidados e decisão em saúde.

O envolvimento dos representantes dos moradores em todo o projeto assegura a sua constante avaliação e adaptação às necessidades.

Embora já estejam a decorrer atividades, o projeto tem como objetivos iniciais:

  • Equipar uma unidade que dê resposta a aconselhamento de saúde, a cuidados básicos de saúde e a sessões que promovam o auto cuidado
  • Equipar 4 pequenas unidades onde possam ser assegurados aconselhamentos individualizados, sessões que promovam a literacia em saúde e ainda a monitorização de patologias
  • Providenciar aconselhamento em saúde e em fatores de risco das DNT’s e o seguimento necessário  aos moradores;
  • Providenciar sessões de formação em autocuidados de saúde nos seguintes temas (18 meses): Alimentação saudável (workshops de culinária saudável, Dia Mundial da Alimentação 187 participantes), autocontrolo da Hipertensão arterial (workshop), autocontrolo da diabetes (workshop),
  • Formação para cuidadores informais de idosos (já em curso),
  • Sessões de preparação para o parto e cuidado na infância,
  • Aconselhamento de enfermagem uma vez por semana ;
  • Providenciar o acesso a informação sobre saúde;
  • Campanhas anuais sobre alimentação, diabetes, higiene e hipertensão arterial

Todas as atividades são programadas e planeadas com os moradores que opinam, validam e acompanham ativamente todo o processo. Até ao momento (últimos 12 meses) já ocorreram mais de 15 reuniões com 811 participações de moradores. Com este tipo de estratégia de participação democrática de moradores atuação é facilitado o processo de adoção de estilos de vida mais saudável, bem como o incremento da auto-estima e ainda a redução das desigualdades em saúde oriundas da difícil acessibilidade à informação, cuidados e decisão em saúde. O envolvimento dos representantes dos moradores em todo o projeto assegurará a sua constante avaliação e adaptação às necessidades.

Este é um projeto planeado com a duração de 10 anos, pois considera-se o tempo mínimo indispensável para concretizar ações de mudança, e  materializa-se nas seguintes 3 linhas políticas:

  • A participação direta e coletiva de moradores, como estratégia promotora de organização popular de moradores nos bairros municipais traduzida no projeto Saúde no Bairro que visa gerar a participação dos moradores nas decisões que a eles e à sua comunidade dizem respeito, promovendo a autonomia na área da saúde;
  • A criação de unidades de saúde locais, promovendo grupos formais de moradores organizados,  comissões de apoio aos atendimentos, associações e outras formas não formais, visando o aprofundamento da cooperação e parceria entre moradores;
  • O aprofundamento do modelo integrado de gestão territorial na área da saúde, ou seja, o desenvolvimento da prática municipal de integração de várias instituições no Projeto de saúde no bairro, dotando espaços com meios e recursos a implementação territorial das ações da pluralidade de competências e saberes técnicos e populares.

Refira-se ainda que a relação dos moradores entre si e com a Autarquia e com as instituições promovida pelo projeto “Saúde no Bairro”, qualificam a gestão para a área da saúde e contribuem para a organização de moradores.

A implementação do Projeto na forma de organização de moradores focada nos atendimentos e na formação, tem evidenciado grande alcance na agregação de moradores, visto que quando concretizada tem resultados imediatos na melhoria da saúde e no seu acesso.

A parceria estabelecida com o Rotary Club Setúbal vem fortalecer este projeto e permitir o apetrechamento de um dos espaços NBNC, com equipamentos na área de saúde, que vão permitir dar uma resposta mais capacitada e técnica aos moradores do Programa NBNC.